Confira 10 dicas para conservar de modo seguro a carne de peixe

Por ser uma carne extremamente delicada, o pescado exige muita atenção e cuidado em sua conservação para não causar nenhum problema de saúde. Para ajudar o consumidor, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado conta com o livro gratuito “Pescado: Saúde e Nutrição” que traz todas as dicas e pode ser baixado por meio deste link
(http://www.codeagro.agricultura.sp.gov.br/uploads/publicacaoesCesans/LIVRO_PESCADO_E_SAUDE_E_NUTRICAO.pdf).
“Os peixes são ricos em proteínas, vitaminas e minerais, que contribuem para a formação muscular e previnem doenças do coração”, afirma a nutricionista Cristiane Kovacs.
“O ideal é que o peixe esteja presente na nossa alimentação por pelo menos duas vezes na semana”, afirma a nutricionista Katlly Evillim Sousa, da Coordenaria de Desenvolvimento do Agronegócios (Codeagro) da Secretaria.
Confira abaixo as dicas para conservação do alimento:
– Se preferir o peixe fresco, sempre pegue no fim das compras, para manter a temperatura;
– As escamas devem estar brilhantes;
– O odor deve ser suave;
– O peixe fresco e o peixe congelado contêm os mesmos nutrientes se mantidos em temperaturas adequadas a cada tipo;
– Na hora da compra do peixe congelado prestar atenção a sua situação. Não compre se estiver com água acumulada ou cristais de gelo, pois pode significar que houve o descongelamento, prejudicando a qualidade;
– A validade de qualquer peixe fresco, se for congelar, é de três meses;
– Na hora do descongelamento SEMPRE descongelar dentro da geladeira, pois fora pode desenvolver micro-organismos deteriorantes;
– Retire o couro/pele antes de cozinhar. Todos os nutrientes do peixe estão dentro da carne;
– Evitar temperos industrializados. Use temperos naturais como a salsinha, manjericão, coentro, louro etc.
– Quando preparado, consumir dentro de, no máximo, 48h, se mantido na geladeira.
Fonte: www.saopaulo.sp.gov.br/

Acesso Rápido

Orientação sobre consumo de pescado em dias de alta temperatura

O verão já se foi e em apenas três meses o país enfrentou três ondas …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *