É preciso adotar ações sustentáveis

especialNunca se debateu tanto sobre temas como meio ambiente e sustentabilidade. Graves alterações climáticas, crises no fornecimento de água devido à falta de chuva e a destruição dos mananciais são claras constatações de que, se não fizermos nada para mudar, o planeta será alterado de tal forma que a vida, como a conhecemos, deixará de existir.

Cientistas, pesquisadores e membros de organizações não governamentais têm discutido e levantado sugestões para trazer a solução definitiva ou, pelo menos, encontrar um ponto de equilíbrio que desacelere a destruição do meio ambiente. Compartilham da ideia de que políticas que visem à sustentabilidade de projetos econômicos de qualquer natureza deve sempre ser a ideia principal e a meta a ser alcançada para qualquer governante.

Em paralelo às ações governamentais, todos os cidadãos devem ser constantemente instruídos para os perigos ocultos nas intervenções mais inocentes realizadas no meio ambiente e para a adoção de práticas que garantam a sustentabilidade de seus atos e ações. Devem, por exemplo, destinar corretamente os resíduos domésticos, proteger mananciais em áreas urbanas e praticar medidas simples que estabeleçam a cultura da sustentabilidade.

Assim, reduzindo-se os desperdícios, os despejos de esgoto doméstico nos rios e as demais práticas ambientais irresponsáveis, os danos causados ao meio ambiente serão minimizados e estará assegurada a sustentabilidade dos assentamentos humanos e atividades econômicas.

 

Medidas

É necessário também estimular o plantio de árvores, a reciclagem de lixo, a coleta seletiva, o aproveitamento de partes descartadas dos alimentos como cascas, folhas e talos, assim como desenvolver cursos, palestras e estudos que informem e orientem os cidadãos para a importância da participação e do engajamento em projetos e soluções para fomentar a sustentabilidade e a conservação do meio ambiente.

Outra medida interessante é ensinar cada família a calcular sua influência negativa sobre o meio ambiente (suas emissões) e orientá-las a proceder de forma a neutralizá-las, garantindo a sustentabilidade e contribuindo para a conservação do meio ambiente. Porém, como se faz par calcular essas emissões? A conta é simples: basta calcular a energia elétrica consumida pela família; o número de carros e outros veículos que ela utiliza e a forma como o faz e os resíduos por ela produzidos. A partir daí, cada família poderá dar a sua contribuição para promover práticas e procedimentos que garantam a devolução à natureza de tudo o que usaram e, com essa ação, gerar novas oportunidades de renda e de bem-estar social para sua própria comunidade.

O mais importante é educar e fazer com que o cidadão comum entenda que tudo o que ele faz gera um impacto no meio ambiente. E só com práticas e ações que visem à sustentabilidade dessas práticas, ele garantirá uma vida melhor e mais satisfatória para si próprio e para as gerações futuras.

Acesso Rápido

Estatuto da Pessoa Idosa sofre alterações. Saiba seus direitos!

O Estatuto do Idoso (Lei nº 10741/2003), a qual fui membro da Comissão Especial para …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *