Novo conceito em residencial para idosos, na região

A idade chega para todos. Mas a aposentadoria não significa o encerramento de uma vida cheia de atividades: significa que é hora de começar a curtir, de viver bem e de escolher as atividades de que realmente se gosta. O problema é que providenciar tudo isso sozinho pode ser complicado e dar muito trabalho. Foi em busca dessa solução que surgiu um novo estilo de residencial.
A estrutura familiar mudou
As primeiras casas de repouso foram criadas para oferecer os cuidados que as famílias não conseguiam dispensar a idosos com diferentes tipos e graus de dependência. Casas assim continuam existindo e evoluem a cada dia, e, dessa evolução, surgiu um conceito novo, que veio para atender às necessidades de uma estrutura familiar que vem mudando muito nas últimas décadas.
Se antes as famílias eram grandes, com muitos filhos e mais gente com disponibilidade de tempo para acompanhar e ajudar os idosos, hoje os filhos são poucos e todos trabalham o dia inteiro, muitas vezes fora da cidade e até do País.
O idoso também está diferente
Existem os idosos que não querem morar com os filhos. Pessoas lúcidas, que preferem continuar independentes, mas sem ter o trabalho de manter uma casa funcionando e uma alimentação balanceada. Eles não querem conviver, mas querem a família por perto. Escolhem, então, um segundo lar para morar. A Morada São Gualter foi concebida para ser esse lar.
“Temos internos que vieram morar com a gente logo depois dos 60 anos, por vontade própria. Gente que tem carro, dirige, passeia, vai a almoços e jantares fora. Gente que fez da casa um hotel. Essa é a ideia.”
Longa permanência, curta permanência e diária
A história do grupo já tem mais de 30 anos e começou com Nadir Spinase e Mário Pereira, o Recanto Azul, na Lapa. Depois veio o Residencial Pinheiros, ambas com residentes em todos os níveis de senilidade. A Morada São Gualter é a terceira unidade, e foi idealizada para idosos lúcidos e ativos, que tanto podem ser residentes como se hospedar por um período, ou apenas passar o dia. “Para esses casos temos o serviço de leva a trás, feito por uma pessoa responsável, que já trabalhou na área da saúde, em um carro equipado e acessível para cadeirantes.”
Assistência constante
“As três casas seguem um padrão”, diz Vanessa Coppia, administradora da Morada São Gualter. “Duas vezes por dia oferecemos atividades lúdicas, jogos, pintura, ginástica laboral, fisioterapia e, em breve na Morada São Gualter, hidroterapia. Trabalhamos com mais enfermeiros e auxiliares de enfermagem do que com cuidadores. Se o residente precisar de atendimento psicológico, fonoaudiológico ou de odontologia, chamamos esses profissionais. Também existem visitas médicas semanais e o acompanhamento de um nutricionista.“
Atividade e lazer: o segredo do bem-estar
“A gente faz de tudo para que eles fiquem o mínimo possível sentados na frente de uma TV. Para que possam passear mais, caminhar, jogar, brincar, aproveitar momentos de leitura e de musicoterapia e, é claro, fazer passeios externos. O segredo é não se entregar. Temos residente de 106 anos fazendo todas as atividades”.
A Morada organiza visitas a parques, shoppings, teatro e cinema, sempre com autorização da família, na companhia de um enfermeiro e de cuidadores, e com a segurança de um serviço de ambulância preparado para atender a eventuais intercorrências em qualquer passeio.
Família sempre presente, sem horário certo para visitas
“A gente faz questão de ter a família presente.” É possível fazer visitas sempre que quiser, como se estivesse indo à casa da pessoa: “A casa está sempre aberta. O máximo que pode acontecer é o residente estar dormindo.”  Também são realizados muitos eventos mensais abertos a familiares e amigos.
Famílias que estão longe têm esse contato com a ajuda da tecnologia: “fazemos muitos videos e fotos, e estamos no Facebook e no Instagram.” Desta forma, ainda que o residente não use o Wi-Fi livre da casa, sempre poderá contar com a Internet para estar mais próximo das pessoas queridas.
Por Roseli Pereira

MORADA SÃO GUALTER
Av. São Gualter, 1148  Tels.: 3022-5021 e 9 4457 2074 (também para WhatsApp)
www.moradasaogualter.com.br e contato@moradasaogualter

Acesso Rápido

Estudo testa efeito de medicamento na diminuição do desejo por bebidas alcoólicas

A Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM-Unifesp) procura voluntários para …

No comments

  1. Boa tarde! Sou uma idosa lúcida e bem ativa, com 61 anos. Moro sozinha em Franca e tenho apenas uma filha. Estou buscando um lugar sem cara de asilo. Quero conviver, ter atividades, entre amigos. Gostaria de saber mais sobre vocês e também quais são os custos que praticam. Obrigada

  2. Edna Elena da silva

    Tenho 64 anos .sou independente gostria de uma moradia sem cara de asilo.
    Gostaria de informacoed

  3. Parabéns pelo site!

    ótimo conteúdo.

    Desejo-lhes sucesso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *