Vacinação contra sarampo é prorrogada até 16 de agosto

O sarampo continua presente em diferentes regiões do mundo e com a circulação global de pessoas passou a representar um desafio para autoridades de saúde de diversos países, pelo risco potencial de importação e disseminação do vírus. Mesmo em cidades como São Paulo, onde a doença não era registrada há anos, começaram a surgir novos casos de sarampo.
A Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo (SMS) iniciou, no dia 10 de junho, uma campanha de vacinação contra o sarampo no município voltada especificamente para jovens com idade entre 15 e 29 anos. Esta faixa etária, concentra o maior número de pessoas que podem ter deixado de tomar as duas doses da vacina, recomendadas pelo calendário nacional de imunização. Até o dia 11 de julho o município de São Paulo aplicou 89.523 doses da vacina tríplice viral, mas ainda há um grande número de pessoas potencialmente expostas ao vírus que precisa se imunizar. Por conta disso, a Campanha de Vacinação que inicialmente seria finalizada em 12 de julho foi prorrogada até 16 de agosto. O objetivo é ampliar a cobertura vacinal no público alvo da campanha. A adesão à vacinação é fundamental para conter o surgimento de novos casos da doença na capital. De janeiro até o dia 4 de julho a cidade confirmou 111 casos de sarampo, sendo 8 importados e 103 em fase de investigação quanto ao provável local de infecção. A cidade não apresentava casos da doença desde 2015.
Com a ampliação do prazo, São Paulo passa a fazer parte da Campanha Intermunicipal de Vacinação Contra o Sarampo, que incluiu as cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Osasco e Guarulhos, todas na região metropolitana de São Paulo foram definidas como locais prioritários para a vacinação. A campanha realizará neste sábado, 20, de um “Dia de Mobilização Intermunicipal contra o sarampo” com diversas ações para intensificar a vacinação das pessoas da faixa etária de 15 à 29 anos.
A vacina tríplice viral está disponível em todas as unidades básicas de saúde da capital, além disso, a vigilância em parceria com as Coordenadorias Regionais de Saúde (CRS), tem realizado ações de vacinação extramuros em universidades, terminais de ônibus, estações de trem, metrô, shoppings centers, praças e parques do município para facilitar o acesso a vacina e melhorar a cobertura vacinal.
A Secretaria Municipal da Saúde ressalta que a vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba (SCR), além de segura, é a única forma de prevenir a ocorrência destas doenças.

Acesso Rápido

Ampliada vacinação contra dengue para crianças de 10 a 14 anos

Desde quinta-feira, 11 de abril, a Prefeitura de São Paulo ampliou a vacinação contra a …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *